Dossiê – Esparta

“Viajante que passas,
diz a Esparta
que obedientes às suas leis aqui jazemos”
Simônides de Ceos, escrito no epitáfio do rei Leônidas

Esparta foi uma cidade-estado localizada a sudoeste da região do Peloponeso, na margem do rio Eurotas, na Grécia. Também conhecida como Lacedemônia (região da qual Esparta era capital) ou Lacônia, sendo lacônico por analogia “falar de maneira concisa”, sendo essa a reputação dos espartanos entre os atenienses.

Esparta

Em Esparta, todos os cidadão eram obrigados a prestar alguma espécie de serviço militar e, entre esses serviços destaca-se que as crianças são treinadas para a guerra desde os 7 anos de idade com objetivos como se tornarem indiferentes à dor e à morte. O essencial à educação, como a leitura e escrita eram ensinados ensinados em tenra idade, ou seja, quando esses completavam 20 anos.

"Young Spartans exercising", Edgar Degas, aprox. 1680.

“Young Spartans exercising”, Edgar Degas, aprox. 1860.

O sistema de governo espartano pode ser considerado único, visto que não era claramente uma monarquia, oligarquia ou democracia, mas uma mistura destes. O aparato estatal era composto por uma monarquia hereditária dupla, e uma oligarquia composta por magistrados, um conselho de vinte e oito anciãos (todos com mais de 60 anos). Além disso, também havia em Esparta uma suprema assembleia consultiva composta por cidadãos com mais de 30 anos, que acontecia mensalmente: tal reunião, neste contesto, era chamada de Apella. Esparta era uma cidade-estado que, segundo Tucídides, “não compactamente edifica à semelhança de uma cidade, e não é dotada de custosos templos e construções”.

“Leonidas at the Thermopylae”, Jacques Louis David, 1814.

“Leonidas at Thermopylae”, Jacques Louis David, 1814.

Atenas e Esparta foram aliadas durante as Guerras Médicas (guerras entre gregos e persas), porém durante a Guerra do Peloponeso, são rivais. Dentre os motivos alegados pelos espartanos estavam o de “libertar” as outras cidades-estados da “tirania” ateniense, e principalmente, assim como evidenciado por Tucídides: “ O crescente poder de Atenas, e o alarme que este inspira aos lacedemônios, fez da guerra inevitável”.

Monumento do rei Leônidas I em Termópilas.

Monumento do rei Leônidas I em Termópilas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s